Fundos DI: fique longe dos fundos DI com altas taxas de administração

127 views
fundo di taxa de administração

Mais uma vez a Selic, a taxa básica de juros da economia, foi derrubada pelo Copom. Agora em 3% ao ano, é a menor da história do Brasil. Com isso, é preciso ficar atento, mais do que nunca, às altas taxas de administração de alguns fundos DI.

Na maioria das vezes, aqueles fundos de investimento atrelados à conta corrente, em que o investidor não precisa se preocupar com as aplicações e resgates – pois são efetuados automaticamente – são os que possuem as maiores taxas de administração.

Em alguns casos, nem vale a pena aderir a esses fundos, pois a remuneração recebida nem compensa o trabalho para controlar e entender qual o real saldo disponível (na conta e/ou no fundo automático) para os gastos do dia a dia.

Agora, com a taxa Selic tão baixa e consequentemente o CDI, que anda passo a passo com ela, as taxas de administração pesam cada vez mais na rentabilidade final dos fundos.

Afirmei isso ao InfoMoney, que me entrevistou para uma matéria recém publicada: Bancos insistem em fundos DI com taxas mais altas que a própria Selic: você investe neles? Inclusieve, eu até já tinha feito um artigo no ano passado falando sobre esse mesmo assunto: Alerta: cuidado com os fundos DI com reantabilidade muito baixa!

Se você quiser entender melhor o que é o CDI e qual a sua relação com a Taxa Selic, clique aqui!

 

Fundo DI para a Reserva de Emergência

É preciso deixar claro que não podemos dizer o mesmo para sua reserva de emergêncas. Nesse caso, vale a pena investir seus recursos e procurar os fundos DI, de preferência sem crédito privado, com baixas taxas de administração para investir esse dinheiro.

Alguns gestores independentes oferecem até fundos sem taxa de administração. Aliás, isso foi o que confirmei para o InfoMoney na entrevista citada acima.

Para aprender mais sobre a Reserva de Emergências, clique aqui.

 

Fundo DI “Turbinado”

Uma outra questão importante a ser colocada aqui é para os fundos DI ditos “turbinados”, aqueles que superam o CDI ou que pelo menos ficam muitos próximos dele.

Conforme já escrevi sobre o assunto em artigo publicado aqui no site (É possível perder dinheiro em renda fixa com o estresse do mercado?), é importante entender que, se o fundo supera ou pelo menos empata com o CDI, é porque provavelmente possui algum crédito privado (ou seja, títulos emitidos por bancos ou empresas, e que possuem maior risco de crédito do que os títulos públicos) em sua carteira.

Fundos DI soberanos, aqueles que investem apenas em títulos públicos, ou seja LFTs que são atreladas à Taxa Selic, devem ter rentabilidade equivalente à Taxa Selic menos a taxa de administração desse fundo. Se a rentabilidade é maior do que esse cálculo, é porque tem na carteira do fundo algum título com maior risco e que, consequentemente, pague mais do que a taxa básica de juros. Nesse caso, podem sofrer com o estresse do mercado, que foi o que ocorreu nesses dois últimos meses.

Portanto, esses não seriam os fundos mais indicados para a reserva de emergências, já que por necessidade, ela poderá ser resgatada a qualquer momento.

 

Fundos de crédito privado

Por fim, se a escolha para a diversificação da carteira for por fundos de crédito privado, tanto os Fundos DI, ou aqueles de Debêntures Incentivadas, é importante optar por produtos com prazos de resgate mais longos, conforme falei na entrevista: “Se for para ter crédito privado, é importante dar preferência para fundos com prazos de resgate maior, porque o gestor vai ter tranquilidade para vender os títulos, quando necessário”.

Nesse caso, se o gestor precisar vender rapidamente os títulos da carteira do fundo para poder pagar o resgate efetuado do cotista, poderá não encontrar muitos compradores para esses títulos e precisar vendê-los por preços muito abaixo do que o justo e isso poderá fazer com que as cotas do fundo se desvalorizem.

Eu explico nesse texto aqui: É possível perder dinheiro em renda fixa com o estresse do mercado?, já citado acima, com mais detalhes como isso ocorre.

 

Se você já é um investidor, fique muito atento às características dos produtos nos quais aplica seus recursos. Se ainda não começou nessa jornada, estude bastante sobre o mercado financeiro e sobre os produtos em que pretende investir. Bons investimentos!