É possível perder dinheiro em renda fixa com o estresse do mercado?

340 views

Pois é, sexta passada vimos mais uma vez que é possível sim perder dinheiro em renda fixa com o estresse do mercado!

Embora isso seja possível, não é uma situação comum. Compreender as causas que levam a este resultado pode ser crucial para tomar melhores decisões de investimento.

Diante disso, a pergunta é: como é possível perder dinheiro na renda fixa em momentos de estresse do mercado? Quais fatores desencadeiam essa performance ruim?

 

Perder dinheiro em renda fixa: como isso acontece?

O que ocorre em momentos de crise e estresse no mercado é que, por uma aversão à risco generalizada, muita gente resolve vender os seus títulos. Os motivos podem ser variados, ou porque preferem ter mais liquidez, ou seja, mais dinheiro em caixa, ou porque estão querendo realocar suas carteiras para perfis mais conservadores ou até por uma preocupação em relação à capacidade de pagamento dos emissores. A consequência disso é um aumento da oferta, o que termina derrubando os preços desses ativos.

Mas será que isso acontece com todo e qualquer ativo? Todos estão sujeitos a este risco de queda?

Sim, no limite, todos os títulos podem sofrer alguma perda, porém a probabilidade de isso acontecer com o Tesouro Selic é realmente muito menor e a intensidade da perda também. Tanto que esse título não vem sofrendo oscilações negativas bruscas como ocorreu nos outros títulos, mesmo nesses dias de crise. Trata-se de um investimento que segue a taxa básica de juros da economia. Ele é bem conservador e pós-fixado.

Inclusive, desde o dia 13 de março esse título não fica indisponível para movimentações no site do Tesouro Direto quando o mercado está agitado e a B3 suspende as negociações dos demais títulos. Essa suspensão é para evitar o efeito manada em que os investidores vendem seus ativos quando os preços caem muito.

É preciso entender que no Tesouro Direto existem 3 tipos de títulos, os pós-fixados, atrelados à Taxa Selic (Tesouro Selic), os prefixados (Tesouro Prefixado) e os atrelados ao IPCA, com uma taxa de juros prefixada (Tesouro IPCA). Lembro que esses dois últimos não são indicados para a reserva de emergências, pois eles podem oscilar bastante nesses dias em que o mercado sofre com notícias ruins.

O mesmo pode ocorrer nos fundos de renda fixa que tenham alguma parcela investida em títulos privados e/ou títulos prefixados e/ou atrelados ao IPCA.

Por causa da marcação à mercado, que é a metodologia para precificar os títulos diariamente pelo preço que seriam vendidos naquele dia, os fundos de investimento de renda fixa podem sofrer uma queda em suas cotas nesses dias de estresse nos mercados.

E foi exatamente isso que ocorreu com grande parte dos fundos de renda fixa em março e na última sexta-feira e assustou muitos investidores, principalmente aqueles mais conservadores.

A questão aqui é: na maioria dos casos, não foi um problema com os emissores desses títulos. Não há uma preocupação generalizada por parte do mercado de que eles não honrem os pagamentos dos ativos. De fato, na maioria dos casos, o que ocorreu foi uma pressão de venda, aumentando a oferta e consequentemente baixando os preços desses ativos. Portanto, é preciso entender qual a qualidade do crédito dos emissores dos títulos em que você ou o fundo estão investindo. Se não houver nada que demonstre uma piora no crédito, não há necessidade de se desfazer desses papéis ou fundos.

 

Como não perder dinheiro em renda fixa?

É preciso compreender que, apesar das oscilações no meio do caminho, se o investidor permanecer com o título até o seu vencimento, receberá exatamente aquela taxa que foi contratada no momento da compra. Sendo assim, se o investimento é para longo prazo, melhor não ficar olhando a toda hora o seu saldo para não ficar sofrendo com as altas e baixas do mercado.

E foi exatamente isso que eu defendi em uma entrevista recente que dei à CNN (clique aqui para ler): “Não fique olhando os preços dos papéis a todo momento. Se você quer investir no curto prazo, compre títulos atrelados à Selic. Se seu objetivo é o longo prazo e você comprou um título prefixado, só retire quando o prazo se encerrar”.

Por outro lado, para quem está com dinheiro em caixa, tem perfil de risco não tão conservador e vai investir para médio ou longo prazo, quando caem os preços dos títulos nesses momentos de estresse, suas taxas sobem e esses títulos ficam mais atraentes para compra. Pode ser uma boa oportunidade de compra, nesse caso.

Se você quiser saber mais sobre como é possível perder dinheiro em renda fixa, leia esse artigo que escrevi sobre o assunto: Cuidado! Há o risco de perder dinheiro no título Tesouro Prefixado!

Além disso, para saber mais sobre os títulos do Tesouro Direto e suas características, esse outro texto pode lhe ser bastante útil: Entenda tudo sobre investimentos em Títulos do Tesouro Direto.

Analise com calma todas estas informações e procure manter a calma em momentos de crise. Muita gente perde dinheiro justamente por falta de conhecimento e pela pressão psicológica provocada pelo sentimento de perda. Se você não vai precisar desses recursos e se sua carteira de investimentos está diversificada e de acordo com seus objetivos, horizonte de investimentos e perfil de risco, não resgate nesse momento e não realize suas perdas. No longo prazo, essas distorções devem se ajustar e o seu retorno deverá voltar à normalidade.

Espero que este texto lhe ajude na tomada de decisões de investimento e lembre-se que você também pode contar com a ajuda de um Planejador Financeiro CFP® nessas horas.

Bons investimentos!