As novidades no mercado de ETFs

197 views
As novidades no mercado de ETFs

Recentemente, tivemos novos ETFs disponibilizados para negociação na B3, a bolsa de valores do Brasil. Esses ETFs podem ser uma opção para poder diversificar a sua carteira de investimentos.

O que são ETFs?

Mas, afinal, talvez você esteja se perguntando: o que são ETFs? ETFs são fundos referenciados a índices. Sendo assim, possuem uma gestão passiva, ou seja, procuram perseguir a performance daquele índice ao qual estão referenciados.

As taxas de administração desses fundos de índices costumam ser mais baixas em comparação aos fundos de investimento tradicionais. Pois, como eles têm uma gestão passiva, o esforço do gestor nesse caso é menor. Assim, a taxa de administração pode ser menor.

Além disso, comprando um ETF, você está adquirindo uma cesta de ativos e, com poucos recursos, pode ter acesso a uma carteira diversificada que é negociada na bolsa. E, como é possível ter acesso a vários ativos, isso facilita a montagem do portfólio para quem está começando.

 

Novos ETFs

Uma das novidades foi um novo ETF de Fundos Imobiliários, o XFIX11, que tem em sua carteira mais de 80 Fundos Imobiliários, o que faz com que seja bem diversificado. O intuito desse ETF é que ele siga as variações do IFIX, que é o índice desses fundos imobiliários.

Também foram disponibilizados novos BDRs de ETFs, ou seja, ETFs estrangeiros, que são vendidos aqui na nossa bolsa.

Porém, esses últimos ainda não estão disponíveis para o público em geral, somente para os investidores qualificados (aqueles que possuem mais de R$ 1 milhão em investimentos financeiros).

Hoje, a maioria dos ETFs no Brasil são de ações (19), mas também já temos ETFs de Renda Fixa (8) e agora também esse de fundos imobiliários (1). Em breve, esses novos BDRs de ETFs também estarão disponíveis para os investidores de varejo. Isso aumentará muito a gama de opções, pois já são 37 novos produtos negociados aqui no Brasil.

 

Como utilizar os ETFs na carteira de investimentos

Para quem está começando a diversificar seus investimentos, os ETFs podem ser uma ótima opção. Com poucos recursos é possível ter uma carteira diversificada e não é necessário muito conhecimento sobre o mercado ou sobre os ativos, já que eles têm um gestor profissional cuidando dela por você.

Lembrando que, para começar, primeiro é importante montar a reserva de emergências.  Somente depois que o montante total dos seus recursos ultrapassar essa reserva, será recomendável diversificar a carteira.

Para os mais conservadores, que estão diversificando a carteira, os ETFs de Ibovespa são os mais indicados, pois seguem o índice da bolsa. Por outro lado, para quem já aceita um pouco mais de risco, pode escolher aqueles de small caps, por exemplo.

Inclusive, para diversificação em ações fora do Brasil, temos aqui ETFs que seguem os índices de ações dos EUA. E ainda, comprando esses ETFs, a pessoa estará diversificando a sua carteira em moedas também, pois eles são expostos a variação do dólar.

Foi isso que sugeri na Live que fiz junto com a Ana Laura para o InfoMoney, veja aqui.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by InfoMoney (@infomoney)

Outra questão levantada na Live foi a liquidez desses ETFs, e como isso pode impactar a carteira. Pois, precisa que alguém queira comprar na outra ponta para você poder conseguir sair desse ativo. Então, antes de comprar algum ETF é bom analisar quantos negócios em média são feitos por dia naquele investimento e qual o valor total negociado por dia.

Dessa forma, você poderá estimar em quanto tempo poderá vender toda a sua posição naquele ativo. Os exemplos que eu dei, foram o IMAB11 que é uma carteira contendo títulos atrelados ao IPCA, as NTN-Bs, que estava com mais liquidez do que o FIXA11, que é um fundo de índice de títulos prefixados, de outro gestor.

 

Dá trabalho investir em ETFs?

Na Live comentamos também que a burocracia para investir em ETFs é um pouco maior do que em fundos de investimento tradicionais, já que o próprio investidor é quem precisará calcular o imposto de renda, pagar o DARF desse imposto e ainda informar na Declaração de IR com mais detalhes. Então, é preciso ficar ciente de que será um pouco mais trabalhoso do que investir em fundos tradicionais.

Por fim, espero que o texto sobre ETFs tenha sido útil e lhe desejo bons investimentos!