Dívidas: como sair do vermelho

271 views

Há poucos dias, o jornalista Fernando Corrêa do jornal Gaúcha ZH fez uma entrevista comigo sobre como sair do vermelho. Expliquei que as pequenas mudanças de hábito podem fazer uma grande diferença no orçamento familiar e desvendei alguns mitos que ainda pairam por aí quando o assunto é educação financeira.

Confira a seguir um pequeno resumo do que respondi ao Fernando e aproveite também para ler o artigo completo clicando aqui!

 

Tenho dívidas por causa da crise!

A crise atual realmente tem impactado os índices de inadimplência, mas não podemos ignorar a nossa história. O Brasil teve um passado de inflação elevada o que fazia com que as pessoas tivessem que correr para fazer suas compras assim que recebessem o salário, para se proteger da alta dos preços. As pessoas não se planejavam e isso ainda faz parte da nossa cultura, mas precisa mudar. As pessoas precisam aprender a poupar e a planejar o seu futuro.

 

Gente rica não se endivida! Será?

Não é verdade! Como revelei na entrevista para o Gaúcha ZH, a inadimplência está espalhada por todas as classes sociais. Muita gente acha que só os menos favorecidos se endividam e quem ganha bem está sempre com dinheiro sobrando. Mas não é assim que as coisas funcionam…Sempre brinco que até o Michael Jackson morreu endividado.

 

Hoje em dia é mais difícil cuidar do dinheiro!

Como citei no artigo, hoje em dia os produtos financeiros estão mais sofisticados e há muitas opções no mercado, o que exige um maior grau de conhecimento para quem quer investir seus recursos. É preciso se orientar bem ou, de outro lado, contar com profissionais que o façam para você.

 

Estou endividado, e agora?

Exatamente como eu disse na entrevista, costumo falar que há dois tipos de endividado. O que se endividou por uma situação fortuita, ficou doente, perdeu o emprego. Essa pessoa se endividou, conseguiu emprego ou resolveu a doença – pronto, provavelmente vá conseguir se organizar. O problema é quando se gasta mais do que se ganha de forma recorrente, por descuido, descontrole, no clima “deixa a vida me levar”. Aí é mais complicado: vai ter de ter mudança de hábito, ajustar a vida para que caiba no orçamento.

É preciso saber em qual das duas categorias você se enquadra e tomar as devidas providências para mudar a situação, conforme for o caso.

Leia mais na entrevista completa, clicando aqui. Vale a pena conferir!