Como se livrar das dívidas e se transformar em um poupador?

771 views

O que é preciso fazer para deixar de vez a posição de devedor para transformar-se em um legítimo poupador? Como se livrar das dívidas? Quais os passos essenciais para essa mudança de perspectiva?

Em meu artigo mensal na Revista Em Condomínios de dezembro, publiquei que “as pessoas sempre procuram viver com saúde, paz e felicidade.” E, em seguida, levantei as seguintes questões: “Mas… como podem ter paz quando estão devendo? Saúde, quando não são capazes de pagar as contas do dia a dia? Felicidade, quando o salário não dura nem até o final do mês?” (clique aqui para acessar o artigo citado)

De fato, a grande verdade é que viver com contas em atraso se acumulando e credores ligando para cobrar dívidas antigas é algo bastante complicado.

Nas linhas a seguir, apresentarei o tripé que considero essencial para que qualquer pessoa possa superar as suas dificuldades financeiras, sejam elas quais forem, e mudar o atual estado de devedor para se transformar em um legítimo poupador. Vamos lá…

 

O primeiro passo para se livrar das dívidas é ter um bom controle financeiro

Como uma pessoa que não enxerga para onde o seu dinheiro está indo pode tomar uma decisão correta sobre o seu futuro financeiro? Como mudar o atual estado de endividamento, se não existem informações concretas sobre o fluxo de dinheiro mensal?

Essas questões servem apenas para reforçar uma conclusão irrefutável: ter um bom controle financeiro é elementar para quem deseja superar o desafio do endividamento e mudar de vida.

É preciso ter informações claras para que se possa tomar as decisões mais propriadas. É preciso saber para onde o dinheiro está indo. E isso só é possível se forem registradas todas as entradas e saídas de dinheiro, todo o fluxo financeiro seja em uma planilha, um aplicativo ou até em um pedaço de papel. Este é o primeiro passo rumo à mudança.

 

Segundo passo: consumo consciente

Com um bom controle financeiro sendo executado, o segundo passo é partir para o controle do que é consumido diariamente. No artigo da Em Condomínios, fiz a seguinte provocação:

“Você já parou para pensar que ficar no vermelho muitas vezes pode acabar sendo uma escolha pessoal? Pois é, na maioria das vezes, é possível adiar por um tempo o sonho de consumo e se programar para o momento em que possua reservas financeiras suficientes. Assim, evitamos as tão indesejadas dívidas que roubam o sono e a tranquilidade de tanta gente.”

É justamente por conta desta necessidade de se manter consciente quanto às armadilhas do consumo que eu sempre estimulo as pessoas a fazerem um exercício simples todas as vezes que desejarem comprar alguma coisa…Basta responder às perguntas a seguir:

  • Eu realmente preciso deste produto ou serviço?
  • Eu consigo esperar um pouco? É urgente?
  • Eu posso comprá-lo sem me endividar? Tenho condições?

Somente aconselho alguém a dar andamento àquela escolha de gasto, depois de respondidas todas estas questões!

 

O terceiro passo é o Planejamento Financeiro

Depois que a pessoa já possuir um bom controle financeiro e já estiver atenta às armadilhas do consumismo, será a hora de ir além e começar a se planejar, definindo objetivos de vida a serem alcançados e metas mensais para continuar no caminho correto e passar a poupar mais.

Um bom planejamento ainda pode contar com uma previsão de investimentos, de seguros contra eventuais imprevistos e, principalmente, de uma programação para uma aposentadoria tranquila no futuro. Nada mal, não? Conheça mais sobre o processo de planejamento financeiro, clicando aqui.

Siga este tripé e organize sua vida financeira, livrando-se das dívidas! Tenha disciplina para manter os controles atualizados e se esforce para cultivar hábitos financeiros saudáveis!