Dicas de leitura para os interessados em Planejamento Financeiro

821 views
Dicas de leitura para os interessados em Planejamento Financeiro
Dicas de leitura para os interessados em Planejamento Financeiro

O IBCPF está publicando uma série de sugestões de livros para os interessados em Planejamento Financeiro denominada “Monte sua Biblioteca”. Segue uma compilação das resenhas de livros elaboradas por Leticia Camargo para o site do instituto.

Rápido e Devagar

Rápido e Devagar – Duas formas de pensar, de Daniel Kahneman, Editora Objetiva

Esta obra foi eleita uma das melhores do ano de 2011 pelo New York Times Book Review, e nela, Daniel Kahneman, que é psicólogo e ganhador do prêmio Nobel de Economia de 2002, questiona a pressuposição da Economia Clássica de que o homem é racional em suas escolhas.

Ele demonstra por meio de pesquisas que na maioria das vezes as decisões são tomadas de uma forma mais intuitiva e emocional.

Este livro mostra que nossa mente trabalha coordenando dois mecanismos: o Sistema 1, que é rápido, dos instintos e das emoções e o Sistema 2, que é mais devagar, da lógica e das ponderações. O primeiro controla as atividades automáticas, mas pode ser influenciado por estereótipos e vieses e o segundo funciona quando precisamos de um raciocínio mais elaborado e analítico e é também mais preguiçoso.

O autor mostra ao longo do livro como somos influenciados por nossos comportamentos como à aversão a perda ou excesso de confiança e nos ensina métodos para que os erros inconscientes possam ser evitados.

 

O Milionário Mora ao Lado

O Milionário Mora ao Lado, de Thomas J. Stanley e William D. Danko, Editora Manole Ltda

Thomas J. Stanley e William D. Danko estudaram por mais de 20 anos os hábitos dos milionários americanos e mostram neste livro quem são e como vivem estes endinheirados.

O milionário pode morar ao seu lado, mas você nem sabe disso, pois o típico americano rico vive uma vida frugal, sem ostentações, diferente do que a maioria de nós imaginamos de uma pessoa rica, que mora de frente para o mar, possui o carro do ano e só anda com roupas da moda. Os autores definem a riqueza como aquilo que você acumula e não aquilo que gasta.

A grande maioria destes milionários não herdou sua fortuna e tampouco possui altos salários. Eles a conseguiram com muito trabalho e disciplina.

Uma ótima leitura que nos faz repensar nossos hábitos de consumo.

 

A cabeça do Investidor

A Cabeça do Investidor, de Vera Rita de Mello Ferreira, Ed. Évora.

O livro é baseado nas finanças comportamentais e procura mostrar como a nossa mente funciona quando temos que tomar decisões. O intuito é fazer com que o investidor aprimore as suas escolhas com a ajuda destes conhecimentos psicológicos.

Por meio de exemplos, estudos de caso e citações, a autora derruba o pressuposto da racionalidade do investidor e levanta a questão de que predisposições psicológicas podem levar a erros de previsões afetando os seus investimentos e, consequentemente, a sua riqueza.

Leitura interessante para quem quer aprender a administrar suas emoções e investir de forma mais eficiente.

 

O Valor do Amanhã

O Valor do Amanhã, de Eduardo Gianetti, Ed. Companhia das Letras.

Trata-se de um ensaio sobre a natureza dos juros. Para Gianetti, “os juros são o prêmio da espera na ponta credora – os ganhos decorrentes da transferência ou cessão temporária de valores do presente para o futuro; e são o preço da impaciência na ponta devedora – o custo de antecipar ou importar valores do futuro para o presente”.

Neste livro, o autor que é filósofo e economista, procura mostrar aos leitores que os juros fazem parte da vida de todos nós desde os primórdios da humanidade. Eles são o resultado das trocas intertemporais.

O seu significado não se restringe ao conceito financeiro, mas faz parte da natureza como um todo. Nosso corpo já se utiliza desta noção quando armazena gordura como fonte de energia para um uso futuro ou quando utilizamos toda nossa vitalidade quando ainda somos jovens pagando um preço bem caro na velhice. Uma ótima reflexão entre o agora ou o depois.