Leticia Camargo

Dia das Mães: 5 coisas que toda mãe deveria ensinar para seus filhos sobre finanças

Aproveitando a ocasião do Dia das Mães, trouxe aqui o que toda mãe deveria ensinar para seus filhos quando o assunto são as finanças.

Listei 5 lições que considero muito importantes para o futuro de qualquer pessoa. Vamos lá…

 

  1. Dar valor ao dinheiro

Como assim “dar valor ao dinheiro”? Sim, é preciso reconhecer o esforço que tivemos que fazer para conquistar o dinheiro. Na maioria das vezes ele é obtido com suor e muita dedicação, mas o deixamos sair com muita facilidade, sem oferecer nenhuma resistência para a sua “fuga”.

Devemos ensinar nossos filhos a se dedicar a guardar, cuidar e a direcionar o dinheiro para o que é importante.

Considero essencial mostrar para as crianças que, da mesma forma que nos dedicamos para ganhar o nosso dinheiro, precisamos nos dedicar para cuidar dele, para usá-lo com atenção e de modo cuidadoso.

As pessoas precisam aprender a evitar gastos supérfluos, com coisas que não são importantes, e precisam aprender minimamente a planejar seus gastos.

 

  1. Necessidades x desejos

Como segunda lição, podemos falar da relação entre necessidades e desejos…

Para as mamães de plantão, fica um conselho: mostre para seus filhos a diferença entre esses dois conceitos: desejos x necessidades.

Nem tudo são necessidades. Por exemplo: a criança não necessita aquela bola ou boneca novos. Ela deseja esses brinquedos. Há uma grande diferença nisso.

Quando necessitamos, logo se vê a utilidade daquilo que se quer, o que nem sempre acontece quando somente desejamos. A consequência de se realizar desejos que não têm necessidade fica muito clara logo após a compra: desejos não necessários tendem a ficar largados em um canto qualquer, no fundo de um armário ou gaveta.

 

  1. Dinheiro não cai do céu

Pode parecer óbvio, mas não é: dinheiro não cai do céu e nem nasce em árvore.

Uma ideia que as crianças têm é que basta usar o cartão de crédito que está tudo certo. É como se o cartão fosse uma fonte inesgotável de recursos. Para a criança, o cartão parece uma espécie de “varinha mágica” que realiza desejos infinitamente.

As crianças precisam entender que essa “varinha mágica” só funciona se a pessoa trabalhar para “recarregá-la”.

Para ganhar dinheiro é preciso esforço. Na sequência, esse dinheiro pode ser guardado no banco. E, somente o dinheiro que está guardado no banco é que poderá ser utilizado para comprar as coisas. Ou por meio do pagamento em espécie, ou por meio do cartão de crédito, por exemplo.

 

  1. Ensinar a esperar

Ensine seu filho a ter paciência. A criança deve entender que não dá para ter tudo imediatamente. Ela precisa aprender a esperar.

Sei que isso não é nada fácil de colocar em prática, sobretudo quando a criança está dentro de uma loja de brinquedos berrando aos prantos. Mas é totalmente possível evitar tais situações.

A lição sobre a importância da paciência pode ajudar a criança a entender melhor os juros compostos: se ela deixar de comprar coisas supérfluas agora, no presente, vai poder comprar algo mais importante e que ela queira no futuro.

 

  1. Existem prioridades

Nem sempre o dinheiro está disponível para a criança comprar o que quiser. Existem prioridades para aquele recurso. As mães devem evitar falar que estão sem dinheiro e que, por isso, não vão comprar aquela bola ou boneca. Devem explicar que, naquele momento, o dinheiro tem uma prioridade, como pagar a conta de luz, por exemplo, ou ir ao supermercado.

Com isso, as crianças poderão entender que primeiro devem ser pagas as contas prioritárias para depois poder comprar os supérfluos. Dessa forma, elas aprendem o que é importante, aprendem a ter responsabilidade.

 

A responsabilidade de criar os filhos nunca foi fácil, mas acredito que essas lições podem sim ajudar muito o futuro dessas nossas crianças.

Para todas as mães, desejo um Feliz Dia das Mães!

Exit mobile version