Como posso te ajudar?

213 views

Nos últimos anos, em meu trabalho como Planejadora Financeira, tenho acompanhado a história de muitas famílias. Fico feliz em ter ajudado tantos clientes a poupar mais e a conseguir alcançar seus objetivos de vida.

Mas, não raro, alguns detalhes deste processo podem propiciar boas economias – seja pelo pagamento de menos impostos e menores taxas ou, até mesmo pelo melhor aproveitamento do benefício das milhas do cartão de crédito.- ou evitar problemas com a Receita Federal, por exemplo.

Em muitos casos, o resultado financeiro destas simples providências já são mais do que suficientes para compensar o investimento efetuado neste trabalho. Em outras palavras, o investimento em um processo de planejamento financeiro gera excelentes frutos!

Eis alguns exemplos…

 

Desperdício de milhas

Essa é bem comum! Basicamente, antes do planejamento a pessoa faz muitas compras no cartão de crédito e tem dificuldade de juntar dinheiro para viajar. Mas, depois das orientações recebidas, finalmente se cadastra nos programas de fidelidade, passa a controlar as suas milhas – tanto das cias aéreas, quanto dos cartões – e termina conseguindo marcar até uma viagem para Nova York, pagando a passagem com as milhas acumuladas.

 

Taxas de administração/custódia altas

Aqui, ocorre de o cliente ter um montante relevante em um investimento em fundo DI com taxa de administração de 2% ao ano. Descobrimos que nesta mesma instituição teriam outras opções com taxas de administração de apenas 0,5% que não tinham sido oferecidas à ele.

Outro caso é o da pessoa com um elevado grau de relacionamento com a instituição bancária, mas com investimentos em previdência para si próprio e/ou para os filhos, com taxas de administração de 3% e taxa de carregamento de 3,5%, ou seja, o dinheiro não vai render quase nada. Essa pessoa poderia encontrar outras opções com taxas bem menores.

Por fim, ainda encontro clientes pagando altas taxas de custódia no Tesouro Direto em seus bancos, sendo que muitas corretoras independentes não cobram nada por isso.

 

Erros na Declaração de IR

Muitas pessoas cometem erros em sua Declaração Anual de Ajuste de Imposto de Renda. Elas esquecem de declarar ganhos isentos de capital ou investimentos, atualizam o valor do imóvel ou do automóvel, não declaram corretamente suas movimentações em renda variável, dentre outras coisas. Elas não sabem que essas ações podem gerar inconsistências e consequentes problemas com a Receita, pela “falta de origem”, ou seja, aumento do patrimônio maior do que a receita recebida no ano ou pelo fato de “esfriar” um dinheiro lícito, pela falta de declração de algum bem ou fonte de receita.

Para você ter uma ideia, recentemente um cliente vendeu ações em valores de até R$ 20 mil no mês em alguns momentos do ano e não declarou este ganho, ele comprou um carro com este montante. Outro quitou o imóvel financiado com os recursos do Fundo de Garantia, mas também não declarou o saque do FGTS. Em ambos os casos, poderiam ter problemas por “falta de origem” na declaração, se não fosse a retificadora.

 

Benefício fiscal em previdência

Outra situação usual é o caso daquelas pessoas que não aproveitam o benefício fiscal da previdência e deixam de ter restituição de IR. Algumas aportam na previdência menos do que poderiam e deixam uma parte do benefício fiscal na mesa. Esse valor acaba se tornando ainda mais significativo se considerarmos um horizonte de tempo de vários anos.

 

Beneficiários em previdência

Existem casos em que o cliente se separou da esposa e esqueceu de tirá-la da lista de beneficiários de suas previdências…

Um exemplo extremo é o de uma cliente que fez 3 previdências ao longo da vida: na primeira, era solteira e colocou seus pais como beneficiários; na segunda, era casada e tinha uma filha, e colocou o marido e a criança como beneficiários; e na terceira, já tinha duas filhas e colocou o marido e as duas filhas como beneficiários. Observe que, atualmente, não faria mais muito sentido seus pais serem beneficiários, já que agora ela possui herdeiros. Além disso, a segunda previdência gerava um desequilíbrio, fazendo com que a filha menor recebesse uma quantia menor do que a irmã, justamente por não estar incluída na mesma.

 

Declaração de previdência

Ocorreu de a pessoa ter enviado todos os comprovantes para o contador, mas não terem sido declaradas todas as previdências e a sua restituição foi menor do que poderia ter sido. A sugestão aqui é: retificar a Declaração para declarar todas as previdências e receber uma restituição maior.

Em outro caso, o cliente contribuía periodicamente para a Previdência, mas nunca registrou isso na Declaração do Imposto de Renda, de modo que acabou não obtendo os benefícios fiscais. Nesse caso, a sugestão é: retificar as últimas 5 declarações para poder usufruir deste benefício

Por fim, houve ainda uma pessoa que declarou erroneamente um VGBL como PGBL, o que poderia ter gerado problemas com a Receita Federal, já que ela estaria recebendo uma restituição que não lhe era devida.

 

Pagamento de imposto em venda de imóvel

No que se refere à venda de um imóvel, o que mais vejo são pessoas que não sabem as regras para pagamento do imposto de ganho de capital.

Um erro comum ocorre quando a pessoa vende um apartamento e não paga o imposto na data correta, que é no final do mês subsequente à venda.

Existem outros casos em que a pessoa calcula o imposto considerando apenas o valor de compra do imóvel, mas como o mesmo tinha sido financiado, os juros poderiam entrar na conta como custo de aquisição. Com isso, o ganho de capital ficaria bem menor, gerando um imposto menor. Recentemente, em uma situação real, a diferença de valor teria sido de mais de 14 mil que o cliente estaria pagando a mais, por esta falta de conhecimento.

 

Testamento

Quanto ao testamento, já me deparei com casos de clientes em seu segundo relacionamento, mas que tinham um filho do primeiro casamento e não sabiam que a sua nova esposa seria sua herdeira também. Em casos assim, um testamento pode ser uma solução para deixar a parte disponível para o filho.

 

Como você pode ver, são inúmeras as situações em que o olhar de um profissional pode ajudar no cuidado de suas finanças. Se em exemplos simples como esses, já é possível perceber um retorno financeiro, o que dizer dos efeitos de um planejamento financeiro completo na vida de uma pessoa? Trata-se de um investimento que termina por render frutos por toda a vida!